Archive for março \31\UTC 2011

h1

E se

março 31, 2011

E se o e se não existisse?
E se fosse possível
acreditar… tudo como é?

E se só houvessem certezas
em todas as incertezas?

E se fosse possível apenas viver
sem os e ses?

E se fosse possível
apenas o possível
nem mais
nem menos?

Só há uma certeza
mas ela não é doce

Anúncios
h1

Mundos além oceano

março 31, 2011

Mundos perfeitos são ilusões
Somente dentro
no fundo dos teus pensamentos
pode haver o que tanto deseja
… perfeito e solitário

A vida pode ser boa em outros caminhos
Não quero mais o previsível
aquilo que tem me consumido

Quero um mar de vida nova
para me afogar…
para me afogar…

h1

Eu esperei

março 26, 2011

Quando o meu derradeiro dia chegar
de quem eu sentirei falta?

Quando este dia quebrar
o que será importante, enfim?

A vida concretizada
ou os sonhos abandonados pelo caminho?

As vezes quero acelerar o tempo
as vezes quero congelá-lo

O que incomoda mesmo
é a minha consciência
que berra em minha cabeça
as coisas que eu deixarei escapar
que voarão para longe…
longe de mim

h1

Rush

março 24, 2011

Acorda
preguiça
dorme
acorda
susto
pula
corre
estuda
corre
trabalha
corre
come (se der)
corre
casa
corre
arruma
corre
estuda

pára…

ouve música e escreve poesia até cair vencida pelo cansaço

h1

Altos e baixos

março 24, 2011

Eu quero voltar a minha casa
mas eu sei que ela não existe
nem nunca existiu de verdade

A morada que tenho
é a carne que habito

E eu desejo que tudo que eu precise
seja tudo o que eu já tenho

Mas é impossível!
Eu sonho alto demais
e vivo baixo demais

h1

Polaroid

março 24, 2011

O que não posso registrar
eu guardo nos meus olhos
como se fossem câmera fotográfica

E isso vira um sentimento instantâneo
que se dissolve em seguida
feito negativo queimado

h1

Sinos

março 24, 2011

Enquanto os sinos tocam
há um tempo que não se pode ver
um caminho que te guia
a um nada que você acha que compreende

Uma vertigem
que turva os olhos
e dá medo do futuro

Se tudo soasse afinado seria melhor
ou pelo menos previsível

Sinos marcam passagens
que não se podem perceber
nem mesmo quando se segue a mesma música