h1

Polaroid

março 24, 2011

O que não posso registrar
eu guardo nos meus olhos
como se fossem câmera fotográfica

E isso vira um sentimento instantâneo
que se dissolve em seguida
feito negativo queimado

h1

Sinos

março 24, 2011

Enquanto os sinos tocam
há um tempo que não se pode ver
um caminho que te guia
a um nada que você acha que compreende

Uma vertigem
que turva os olhos
e dá medo do futuro

Se tudo soasse afinado seria melhor
ou pelo menos previsível

Sinos marcam passagens
que não se podem perceber
nem mesmo quando se segue a mesma música

h1

Cheiro de mim

março 24, 2011

Cheiro de coisa boa no ar
traz bem estar

Por que não o bem estar
trazer bons cheiros no ar?

Se eu fosse um cheiro
talvez fosse de talco
vaporoso e confortante
como meus anseios

E se eu estivesse mal
talvez fosse cheiro de cravo
em homenagem aos cravos de minha alma

E se eu fosse feliz de verdade
teria certamente cheiro de mar
salgado e infinito

E deitaria na areia
esperando a onda que perpetuaria isso…
Que me tragasse para si…

h1

Ses

março 24, 2011

Por que se faz tantos ses na vida?

Deveria haver mais exclamações
mais coisas surpreendentes
feita por pessoas improváveis
em momentos impossíveis

Mas será que as pessoas querem isso?
O surpreendente que destrua os seus chãos?

h1

Taquicárdico

março 24, 2011

Partes complicadas da vida
te empurram para um abismo raso
Onde você consegue vislumbrar
o que vai te acontecer

Malditas partes complicadas
que vão e voltam
num ciclo sem fim

Quando vão para não mais voltar?
Quando vai ser apenas um pesadelo interrompido
num sobressalto taquicárdico?

h1

Foto

março 24, 2011

Eu vi uma foto
e me assustei
Como o tempo voa

Agora tenho muito medo de perder
tudo aquilo que eu não buscava

Amadurecer continua sendo doloroso

Ainda bem que há tempo
para eu ser melhor que hoje

h1

A Terra dos Fantasmas

março 24, 2011

O mundo não é como se sonha
há rachaduras por todos os lados
e fantasmas vagam sem saber para onde
seus anjos os abandonaram

Eles habitam belas casas mortas
assombram espelhos
só olham para fora
atravessam portas fechadas

Eles não dormem mas sonham
e realizam desejos maldosos
em busca de suas necessidades humanas

À noite, choram
sem saber porquê
Eles foram abandonados
e assim abandonaram a sua parte humana